Amantes do Trance

REFLEXÕES: QUANDO O HITECH COMEÇA…

Confere mais uma reflexão da nossa colaboradora Maria Rebelo

É indiferente se estamos no mato, em casa, numa festa indoor ou de auriculares na rua, no metro, no comboio... o Hitech tem a capacidade de criar uma nuvem nos nossos pés, eles tornam-se automotivados a sair do chão, de pequenos ‘saltitos’ ao abrir buracos em chão de cimento - tudo é possível.

Somos indiferentes ao que nos rodeia e, no entanto, estamos ligados ao espaço, às pessoas e ao tempo sem percebermos, porque a alma da expressão é inigualável.

Quando o Hitech começa assemelha-se a um jogo: o primeiro a parar perde. E todo o movimento bate o pé, juntos, separados, fixamo-nos no sonho, na vontade de estar a pisar um dance, de estar à frente de uma coluna, de estar em sintonia com tudo.

 

Pára: nunca. Jamais deixar de sentir o Hitech. Jamais parar de contemplar desde os pequenos detalhes à acelerada batida que nos trás ao mundo. Hitech é vibração interna e externa, Hitech é a criação dos místicos, dos bruxos, dos alquimistas, aqueles que sabem cuidar a nossa presença e a nossa viagem.

De olhos abertos... de olhos fechados... é um total ‘ESTAR’.

Artigo de Maria Rebelo
Foto: Kharmadelic Photography

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *