Amantes do Trance

1 – De que maneira entrou a música na tua vida?
Eu acho que a minha vida já estava com a música antes de eu nascer já que muitos do meus parentes são músicos.

2 –Qual foi a festa em que te estreaste com DJ?
Na primeira vez tinha 14 numa festa da escola mas num club foi com 18… Em 1986!!

3 – Como foi o início da tua carreira?
Eu tinha uma banda antes da era do techno e nós tocávamos em clubs e andávamos em tour. Estilo new wave. Bastantes sintetizadores e caixas de ritmo… Eu cantava e tratava dos sintetizadores… Entretanto apareceu o techno portanto foi uma mudança natural. E depois apareceu o trance que adorei por causa das melodias e da sua vibe global. Conheci o Dado (Deedrah) em 1994 e começamos o projecto Transwave. Tivemos uma longa pausa no projecto e eu comecei o meu projecto a solo como Absolum e a label 3D Vision com o Cedric Talamasca, Dj Mael, Steve Eli & Javier de Galloy.

4 – Como começaste a produzir música eletrónica?
Eu já tinha sintetizadores e outras ferramentas eletrónicas e foi um progresso constante do New Wave para o Techno, para o Trance e para o Psytrance…

5 – Onde encontras inspiração para criar novas músicas?
No início a inspiração vinha de diferentes experiências na minha vida pessoal, enquanto viajava, criava novos amigos, descobria novos locais. Não é sobre inspiração mas mais sobre como te sentes depois dessas experiências quando voltas para o estúdio. Hoje em dia é mais sobre os amigos com quem trabalho e aquele momento especial quando estamos no estúdio...

6– Quando foi lançada a tua primeira faixa?
A minha primeira música foi lançada em 1988 com a minha banda “Eighteen”. Lançar uma faixa nessa altura não era assim tão fácil já que não havia um home studio… Eramos uma banda de 3 rapazes produzidos por um estúdio em Paris. Se estás a falar sobre a primeira como Absolum, então foi na 3D Vision em 1998. Primeira de Transwave em 1994.

7 - Os artistas de psytrance têm muitas influências de outros géneros musicais. O que te inspira fora da música eletrónica? Que outras formas de arte fazem parte do teu processo criativo?
New Wave e techno

8 - Quem são as tuas influências musicais?
Depeche Mode

9– Qual foi a atuação que mais te marcou, uma que nunca te esquecerás?
O meu primeiro gig profissional fora de França… Tanta diversão e memórias maravilhosas… e eu soube que estava no caminho certo….

10– O que te mantém apaixonado pela música eletrónica?
Eu sempre adorei música eletrónica porque tal como na música clássica, o foco é na música em si, não num cantor…

11 – O que gostas mais em festivais?
Encontrar os meus amigos de todo os lados e partilhar montes de bons momentos.

12 – Onde vão ser as tuas próximas atuações?
Bem, antes de Portugal vou estar em Sevilla, Sul de Espanha. E depois em Barcelona, Brasil, México, Sérbia...

13 – E acerca das tuas novas faixas, podes revelar algo?
Só trabalho em colaborações hoje em dia: mais diversão e mais ideias frescas de fora. Já se passaram 20 anos…

14 - Quais as expectativas para a atuação em Portugal?
Como sempre em Portugal. Frio à noite mas uma vibe magnifíca no dancefloor.

15– O que costumas fazer quando não estás a atuar ou a viajar?
Quando não estou a tocar eu trabalho para um grupo de finanças Sueco em Barcelona como Advogado de Negócios Internacional.

PUBLICIDADE

 




 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *