Amantes do Trance

1 – De que maneira entrou a música na tua vida?

R: A música apareceu na minha infância. Quando eu era um miúdo ainda pequeno amava ouvir música porque me puxava a imaginar história com sons e palavras ao mesmo tempo. Apareceu na minha vida de uma maneira muito espontânea e natural.

2 – Qual foi a primeira festa em que tocaste como DJ?

R: A primeira vez que toquei foi num bar na minha cidade, em Israel e pude sentir que as pessoas amaram o meu trabalho, foi um sentimento tão bom que não pude parar mais.

3 - Como foi o início da tua carreira?

R: A minha carreira começou no momento em que me apercebi, depois da primeira vez a tocar, que amava fazê-lo, portanto… comprei uma groove box que era bastante fixe nessa altura e comecei!

4 – Como começaste a produzir musica eletrônica?

R: O primeiro passo foi aprender mais sobre como fazê-lo, portanto, comecei a aprender música com o melhor professor privado em Israel. Foi o começo: usar os meus sentimentos e o que estudei na altura, a produzir música.

5 – Onde encontras inspiração para criar novas faixas?

R: Eu ganho inspiração no dia a dia, momentos à volta do mundo, da arte, filmes e também de situações simples que tocam o meu coração e a minha mente.

6 – Como surgiu o projeto Outer Signal?

R: O projeto Outer Signal surgiu no meu estúdio, em Israel.

7 – Quando é que a tua primeira faixa foi lançada?

R: A minha primeira faixa foi lançada pela Fractal Records na compilação Fractal Energy.

8 – Os artistas de Psytrance têm várias influências de outros género musicais. O que é que te inspira fora da música eletrônica? Que outras formas de arte fazem parte do teu processo criativo?

R: A minha inspiração vem de Rock dos anos 60, 70 e 80, Metal, Chill Out, Música Clássica, Eletrónica dos anos 80, Acid dos anos 90, Pop dos anos 80 e 90……. A música é a minha vida, vários estilos inspiram-me.

9 - Quem são as tua influências musicais?

R: As minhas influências no Trance são Absolum, Astral Projection, Johaan Blay, e muitos projetos dos anos 90 (estilo Goa)

10 – Que performance nunca esqueceste, que mais te mudou?

R: Uma das performances que eu nunca me vou esquecer foi em Portugal em 2008. Também adorei tocar no Japão, México, Brasil, France.. Posso dizer que cada uma é especial para mim. Mas eu amo mesmo tocar em Portugal!!!!

11 – O que te mantém inspirado pela música eletrónica?

R: O que me mantém inspirado pela música eletrônica são os sons, porque temos várias opções para criar e é mais extremamente a mover-se em diferentes direções sem limites.

12- O que gostas mais em festivais?

R: As pessoas, a música, a vibe (tudo junto no mesmo sítio)

13 – Quais vão ser as tuas próximas atuações?

R: A minha próxima atuação vai ser no Brasil e depois, Portugal.

14 – Sobre as tuas novas produções, podes dizer-nos alguma coisa?

R: As novas faixas, hoje em dia, às vezes têm mais melodia, às vezes completamente eletrónicas, mas sempre com sons agressivos. As novais faixas são a 140, 145, 146 BPM.

15 - Sobre a tua performance em Portugal, quais as tuas expectativas?

R: As minhas expectativas para Portugal… Não há dúvidas sobre Portugal… Portugal está sempre pronto para ROCKAR!

16 - O que fazes quando não estás a tocar ou a viajar?

R: Quando não estou a tocar estou a preparar as minhas próximas faixas ou a passar algum tempo com a minha mulher e os meus amigos. Adoro cozinhar e conhecer pessoas.

17- Vamos terminar esta entrevista, deixa uma message para os teus fãs portugueses!

R: Para todos os meus fãs e amigos em Portugal obrigado por todos estes anos e pela hospitalidade, AMO-VOS A TODOS, e mal posso esperar para voltar outra vez.

PUBLICIDADE




Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *