Amantes do Trance

1- Como a música chegou à tua vida?

R: A música foi desde criança uma paixão para mim, o meu pai sempre foi um aficionado por música e foi ele quem me pegou o bichinho.
O psytrance entrou na minha vida aos 13/14 anos, quando era totalmente virada para o Metal e fui a uma festinha na praia da fonte da telha e uns meses mais tarde com o Boom 2002. Depois disso foi um saltinho para me tornar viciadissima pelo trance e começar a dedicar os meus tempos livres para conhecer cada vez mais artistas e os seus trabalhos.

2- Como surgiu o projecto Tinker?

R: Tinker foi um projecto criado muito graças à minha melhor amiga que fez muita força para que começasse um projecto a solo e devido a ela comecei a tocar em algumas festas de amigos e noites só com djanes. Foi ela quem criou a página de facebook e em pouquissimo tempo consegui um óptimo feedback por parte do público.

3- Qual foi a festa em que te estreaste como DJ ?

R: Tenho algumas estreias enquanto Dj. A primeira vez que toquei numa festa foi com o Dazzle Beat e o Miguel dos Frostbite, se não me engano em 2008, pois tudo começou pela paixão dos três pela música.
Em Março de 2013 estreei-me como Tinker, mas considero que apenas em 2014 este projecto tenha ganho pernas para andar.

4- Como foi o início da tua carreira?

R: O inicio da minha carreira enquanto Tinker foi bastante rápido visto que já tocava para a grande maioria das promotoras em Portugal. No entanto só quando comecei a adaptar o meu estilo de som e a torná-lo diferente comecei a ser reconhecida e convidada para tocar em todos os cantos do país.

5- Quem são as tuas influências na música?

R: Sem qualquer dúvida são artistas como Bizzare Contact, Spade, Astrix, Ananda Shake, Eskimo, GMS, Space Cat quem mais influenciou o meu gosto dentro do Psytrance. Desde sempre que fui muito fã do full-on e matinal, daí a criação do I love ❤️ Xalala.
Hoje em dia sigo novos artistas que sem dúvida chamaram a minha atenção como Blastoyz, Xsi, Stryker, Azax Syndrom, UnderCover entre muitos outros que tornaram o full-on muito mais “fresh”!

6- Qual foi a actuação que mais te marcou?

R: Sem dúvida Freedom Festival 2015, às 11 da manhã naquele palco gigantesco com um sistema de som ainda maior! Desde 2008 que o meu sonho seria tocar no palco principal do meu festival preferido.

7- O que mantém vivo o teu amor pela música electrónica? O que tu mais gostas nas festas/festivais?

R: A música electrónica é a minha vida. Não me imagino a largar o que faço para fazer outra coisa qualquer. Desde o meu trabalho enquanto Djane, como o meu trabalho de artist management o trance é a minha vida onde tenho a minha familia do coração.
O que mais gosto nas festas tem vindo a mudar ao longo dos anos, desde ficar dias ansiosa, sem conseguir dormir para ir simplesmente para a festa ver os meus artistas preferidos com os meus melhores amigos, fazer novos melhores amigos até estar a tomar conta das operações e chegar ao fim da festa com o gostinho de que ajudei todos a serem um bocadinho mais felizes. Sem dúvida que é o único sitio onde consigo encontrar tanto carinho entre as pessoas, um sitio onde realmente se conseguem criar novas amizades que irão durar para sempre.

8- Onde serão as tuas próximas actuações ?

R: Acabadinha de tocar no 13º aniversário da Crystal Matrix preparo-me então para a Kin & Four Elements 2016 dia 28 de Maio e algumas festas indoor durante o mês. Espero um verão bem recheadinho na minha agenda.

9- Nos últimos anos o psy trance tem vindo a crescer em Portugal o número de festas/festivais e novos artistas aumentam a cada dia. Na tua visão, esta nossa caminhada está no ritmo certo ou existe algo que poderíamos estar a fazer mais pelo crescimento da cena?

R: Para mim esse é um tema bastante sensivel, pois na minha opinião Portugal está mais do que na altura de dar o passo em frente e começar a fazer eventos de trance ao nível internacional, com artistas actuais para assim podermos crescer e aproveitar o que de melhor temos, um público que sabe o que gosta e que conhece as músicas e os artistas e os locais maravilhosos que temos por explorar. Acho que somos no geral um público bastante culto musicalmente mas que na realidade se prende ao passado e não quer dar o passo em frente.

10- Quais são os teus hobbies quando não estás a tocar ou a viajar?

R: Praia, sempre que posso seja inverno ou verão. Adoro cozinhar, costurar, ouvir todas as músicas novas, amigos, familia e os meus sobrinhos mais lindos!

11- Vamos finalizar com uma mensagem para os teus fãs/seguidores.

O maior agradecimento é para todos os que me seguem e apoiam, sem vocês nada disto seria possivel. Para mim estar no palco a olhar para todos vocês e sentir a energia da música e da dança de todos é indiscritivel! Espero que continuem a gostar do meu trabalho durante muito tempo, pois nada me faria mais feliz do que dar-vos música fresquinha por muitos muitos anos!

PUBLICIDADE

 




 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *