Amantes do Trance

Olá a todos e antes de mais obrigado por esta oportunidade de dar a conhecer um pouco mais de mim.

1- Como a música chegou à tua vida?

R: A música apareceu bem cedo na minha vida com aulas de piano e cordas, mas, como gostava mais da "noite" que ficar a praticar não fui muito além. Nunca fui adepto de rock e afins como os meus amigos e até hoje só a música eletrónica me seduziu desde muito novo. Muitos cd's gravei eu de rádios que já há vinte anos passavam sets em direto da LoveParade em Berlim. Agora que falo nisso um dos que me marcou foi o Westbam. Eurotrance, Tecnho, House e Minimal foram os meus companheiros, mas depois de aparecer o psytrance casei o meu ouvido para a vida.

2- Como surgiu o projecto MRMP?

R: MRMP surge muito cedo quando até dj residente em alguns bares fui. Mas como nunca gostei de diretrizes dos proprietarios de estabelecimentos no som que passava tive que abandonar as residências.

3- Qual foi a festa em que te estreaste como DJ ?

R: As primeiras partys foram privadas e em festivais de verão locais, onde me orgulho de já na altura passar psytrance mesmo sabendo que os ouvidos da maioria ainda não estavam treinados para as sonoridades que todos amamos.




4- Já aconteceu alguma situação engraçada enquanto tocavas?

R: De todas as experiências caricatas gostei muito de tocar num Club com 2 pistas, Pedro Tabuada= zero pessoas, MRMP= 50 pessoas ehehe.
Foi caricato também quando antes de Space Cat o meu MacAir queimou a mainboard e o Avi não queria que eu parasse o set.

5- Onde serão as tuas próximas actuações ?

R: No presente estou ansioso pela melhor festa do ano, a Indigo Generation3 pois como disse sempre, é de ravers para ravers.

6- Nos últimos anos o psy trance tem vindo a crescer em Portugal o número de festivais e novos artistas aumentam a cada dia. Na tua visão, está nossa caminhada está no ritmo certo ou existe algo que poderíamos estar a fazer mais pelo crescimento da cena?

R: No que concerne ao panorama do psytrance nacional acho que não podemos ser "velhos do restelo " e dizer que "antigamente é que era" pois o presente é o antigamente dos futuros adultos.
A conexão entre os ravers e a música será sempre superior a qualquer jogo de bastidor, a qualquer tentativa de monopólio ou qualquer tentativa de aproveitamento seja ele qual for.

Vamos finalizar com uma mensagem para os teus fãs/seguidores.

Antes de me despedir quero deixar um abraço aos meus amigos da PsyMagicMinds por terem das condutas mais éticas que o psytrance nacional pode ter e vestirem a camisola quando organizam uma free-party como a Time Warp, ou seja, mais atitudes e menos conversa.
Em suma, apareçam na Ilha do Ermal, fechem os olhos e deixem que música faça o resto
Abraço
MRMP

OBRIGADO MRMP

PUBLICIDADE




Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *