Amantes do Trance

Olá amantes, é um prazer poder responder ás vossas questões.

1- Como a música chegou à tua vida?

R: Chegou desde cedo, sempre tive rodeado de boa música graças aos meus pais. Ney Mato Grosso, Mamas and Papas, Dire Straits e muito mais. Cheguei até a ter uma banda com os meus primos em que fazíamos as nossas próprias letras nas músicas dos Xutos e Pontapés!

2- Como surgiu o projecto Dazzle Beat?

R: Dazzle Beat foi o nome criado em 2012, quando decidi começar uma carreira a solo, pois a minha jornada de Djing começou com Double Dose, em 2009, em conjunto com a Rute (Tinker). Com a mudança no full on acabámos por seguir caminhos diferentes mas ainda fazemos ocasionalmente um “back2back” ou até mesmo tocar como Double Dose.

3- Qual foi a festa em que te estreaste como DJ ?

R: Não foi na primeira vez que toquei que considero que seja a “oficial”, mas a primeira vez que toquei "á séria" foi como Double Dose numa festa em Viana do Castelo, mais precisamente em Darque. Uma festa pequena mais com enorme carga emocional. Nesse momento fiquei completamente viciado e nunca mais parei.

4- Como foi o início da tua carreira?

R: O meu inicio foi bastante lento. Durante quase dois anos toquei em muitas festas pequenas, free parties, mas aos poucos fomos criando o nome de Double Dose até começarmos a tocar na Crystal Matrix, onde posteriormente comecei a tocar como Dazzle Beat. A partir daí foi mais fácil, começar a conhecer novas promotoras e hoje em dia posso dizer que já toquei para todos os grandes promotores em Portugal.

5- Quem são as tuas influências na música?

R: Sou adepto de quase todas as vertentes dentro do psy trance por isso não tenho um estilo que me influencie totalmente. Antigamente era muito virado para o Full on Matinal, baseado em produtores israelitas e alguns europeus, mas hoje em dia e com a evolução que aconteceu dentro deste estilo, sinto que a maioria dos sub-géneros de psy trance têm aquele ritmo e groove que eu gosto. Adoro um bom desafio nos decks quando tenho de adaptar os meus sets á hora que toco.

6- Qual foi a actuação que mais te marcou?

R: Acho que não consigo escolher apenas uma, Trance Odyssey 2012/2013 pela Crystal Matrix, abertura do After Freedom 2013, Xalala Dance Party, Insomnia 2014, as Kin 4 Elements da Psyart, Magic Union da Magic Dreams e Icognita, Tranceandance (Crystal e Samaveda), Infected Guitars 2015 (Space Music Drops), Freedom Festival 2015, e uma bastante importante que foi ter a oportunidade de tocar no Utopia - After Boom Festival depois de Logic Bomb. Foi sem dúvida uma honra.

7- O que mantém vivo o teu amor pela música electrónica? O que tu mais gostas nas festas/festivais?

R: Adoro a combinação de festas de música electronica e poderes estar ao ar livre. Não sou fã de espaços fechados sejam eles clubes ou discotecas. Como digo imensas vezes adoro os domingos no campo entre amigos.

8- Já aconteceu alguma situação engraçada enquanto tocavas?

R: Já me aconteceram umas quantas, mas tenho duas situações impossíveis de esquecer. A primeira foi numa festa em Almeirim onde a meio do set baixei a música para dar os parabéns a um amigo, todos do nosso grupo ouviram, enquanto o resto do dancefloor continuou sem dar por nada. A cara dos meus amigos foi memorável.
A outra foi num clube em Lisboa em que estava a tocar e a mexer os braços, como qualquer Dj, mas nesse dia o club estava tão cheio que até pessoas no palco havia e infelizmente uma rapariga estava um pouco perto de mais e enfiei lhe os dedos mesmo dentro do nariz! Foi lendário, ela acabou por se afastar… pelo menos por uns minutos.

9- Onde serão as tuas próximas actuações ?

R: Vou já estar no dia 2 de Novembro no Europa em Lisboa, no dia 12 de Novembro Mystic Vibrations, dia 25 de novembro na tour do Spade e algumas datas ainda por fechar. Tenho agora também um projecto em mãos que é o lançamento da minha compilação que irá sair através da Mainstage Records com os mais diversos artistas nacionais e internacionais como D-Maniac, Painkiller, Artsense, Bionix entre muitos outros. Está mesmo a não perder!

10- Nos últimos anos o psy trance tem vindo a crescer em Portugal o número de festivais e novos artistas aumentam a cada dia. Na tua visão, está nossa caminhada está no ritmo certo ou existe algo que poderíamos estar a fazer mais pelo crescimento da cena?

R: Penso que podíamos começar a dar valor aos nossos. Acho que se dá muita importância aos artistas estrangeiros com cachets altíssimos, quando na minha opinião temos tantos artistas nacionais de qualidade. Claro que gosto de ir a festas com Line up’s brutais e ver os artistas do momento mas penso que como se fazia há uns anos era muito mais viável. As festas tinham muito menos artistas, e cada artista tocava mais do que uma hora.

11- Quais são os teus hobbies quando não estás a tocar ou a viajar?

R: Adoro actividades ao ar livre, faço bodyboard há mais de 20 anos, vou á praia seja verão ou inverno, estejam ondas ou não. É sem dúvida um dos meus hobbies preferidos. Claro que não passa um dia que consiga estar afastado dos Cdj’s, ou do Traktor. É sem dúvida um vicio que tenho e no qual me perco umas horinhas todos os dias.

12- Que expectativas tens para esta 2ª edição da Mystic Vibrations? E quais são as emoções que tencionas provocar aos ravers na tua actuação?

R: A Mystic Vibrations está com um cartaz de sonho e para mim é uma honra poder fazer parte de tamanha celebração. Espero que seja um regresso em grande. Da minha parte podem esperar muita musica nova e boa disposição.

Vamos finalizar com uma mensagem para os teus fãs/seguidores.

Espero que tenham gostado de ler tanto o quanto me deu o prazer de escrever. Sejam ravers like a boss mas sem cometer excessos. Vemos-nos em breve.

Dazzle Beat

OBRIGADO Bruno Fonseca  width=❤️

PUBLICIDADE

 




 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *