Amantes do Trance

1 - Como a música chegou à tua vida?

R: A apareceu cedo através da musica clássica.. comecei a cantar num coro com 10 anos, e aos 12 surgiu o convite do maestro para aprender a tocar clarinete, e assim foi durante mais 4/5 anos.

2- Qual foi a festa em que te estreaste como DJ ?

R: A primeira festa com mais relevância foi em Cabeço de Montachique 2003 pela Twilight Zone

3 - Como foi o início da tua carreira?

R: Foi um pouco diferente do percurso que hoje em dia se faz. A musica era apenas editada em CD. Se querias tentar editar musica, tinhas de conseguir entrar numa lista de 10 temas que um DJ ou dono de uma editora muito cuidadosamente compilava porque não saiam CDs todos os dias.
Comecei a aproveitar as oportunidades que me foram dadas em pequenos e médios eventos para testar musicas e ver o que dentro do que eu gostava de fazer, resultava realmente num dancefloor.
Depois de conseguir editar uns quantos temas, consegui mostrar a minha musica e seguiram-se as festas fora de portugal.
Da primeira edição num VA em 2004 até ir tocar ao Boom em 2006 foram dois anos intensos!

4 - Como começaste a produzir música electrónica?

R: Comecei a produzir numa Roland MC-307. Sequenciava os patterns todos la dentro e de forma precária lançava todos os elementos em tempo real a fazer a estrutura da musica, e gravava o output no Acid Pro… de loucos...

5- De onde tiras inspiração para criar novas músicas?

R: Da vida… acho que é por isso que não ha bem uma definição do que eu faço. Se estou feliz e tranquilo é quando saem aquelas mais melódicas, se estou fulo da vida é quando saem as mais agressivas.
Normalmente as minhas musicas retratam o que me aconteceu numa determinada altura da minha vida.

6-Como surgiu o projecto TRYAMBAKA?

R: Surgiu depois de ter ido às minhas primeiras festas e pensar que seria muito interessante fazer esse tipo de musica utilizando as influencias da minha aprendizagem em orquestra.

7 - Quando foi o teu primeiro lançamento?

R: Tryambaka - Odyssey
Novembro 2004
Ketuh Records

8- Os artistas do psy trance possuem influências de outros gêneros musicais. O que te inspira fora do universo electrónico? Que outras formas de arte fazem parte do teu processo criativo?

R: Definitivamente a musica clássica que esteve presente numa fase inicial da minha vida, e o extremo oposto… hardcore, punk e metal que eu sempre gostei de ouvir desde a adolescência.

9 - Quem são as tuas influências na música?

R: As principais no início foram Dark Soho e Infected Mushroom

10 - Qual foi a actuação que mais te marcou?

R: Talamasca - Boom Festival 2002

11 - O que mantém vivo o teu amor pela música electrónica? O que tu mais gostas nas festas/festivais?

R: O amor pela musica e o gosto que é, em algumas situações, ver a reacção que uma criação minha pode ter num ser humano.

12 - Quais são as novidades em relação a novos lançamentos?

R: O meu novo EP vai sair em breve na Global Army Music que inclui um Vs com o Alienn e um RMX muito especial… Vão sair também varias musicas em compilações nos próximos meses.

13- Nos últimos anos o psy trance tem vindo a crescer em Portugal o número de festas/festivais e novos artistas aumentam a "cada dia". Na tua visão, está nossa caminhada está no ritmo certo ou existe algo que poderíamos estar a fazer mais pelo crescimento da cena?

R: O crescimento é sempre positivo, mas creio que se devia apostar mais na qualidade do que na quantidade...

14 - Quais são os teus hobbies quando não estás a produzir música ou a viajar?

R: Quando não estou a produzir ou a dar aulas adoro passar o tempo livre com a minha família!

15 - Vamos finalizar com uma mensagem para os teus fãs/seguidores.

R: Um agradecimento muito sincero por todo o apoio ao longo destes 12 anos actividade profissional…se não fosse o publico não teria o “emprego de sonho” que sempre quis!

OBRIGADO TRYAMBAKA  width=❤️

PUBLICIDADE

 




 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *