ENTREVISTA #24 – JUGGLING

1- Como a música chegou à tua vida?
A música sempre teve presente na minha casa desde muito cedo, pois desde que me lembro até aos dias de hoje o meu pai sempre tocou bandolim em tunas.

2 - Qual foi a festa em que te estreaste como DJ ?
Foi um aniversário de um amigo na Vidigueira – Alentejo – a festa tinha 2 áreas, 1 de PsyTrance e uma de Techno, supostamente a parte do Psy era a área alternativa e quando dei por mim a festa estava toda na área alternativa.

3 - Como foi o início da tua carreira?
Foi um bocado atribulado como qualquer outro inicio de carreira eheh De Segunda a Sexta estudava e de Sexta a Domingo corria tudo o que era festa, onde estabelecia contactos, dava promos, publicitava o meu trabalho.

4 - Como começaste a produzir música electrónica?
Foi em 2008 com o Xenzodiak, após alguns anos a mixar senti que queria fazer mais qualquer coisa pelo movimento e assim começámos o projecto Tech Twist.

5 - De onde tiras inspiração para criar novas músicas?
De tudo o que acontece no dia-a-dia, de viagens, de momentos com amigos, de festas, da vida em geral.

6 - Como surgiu o projecto Juggling?
Surgiu pela necessidade pessoal de fazer um som um pouco mais agressivo, pois em Tech Twist fazíamos um Trance mais melódico e quis explorar esse outro estilo de Fullon matinal, mais agressivo, com melodias mais electrizantes e baixos mais fortes.

7 - Qual foi o teu primeiro lançamento?
O 1º lançamento foi uma VA que compilei pra Crystal Matrix Records intitulada “Engage The Noise” onde sairam 2 músicas de Tech Twist. Como Juggling foi o EP “Once Upon a Time” editado pela PanMusic Records.

8 - Os artistas do psy trance possuem influências de outros gêneros musicais. O que te inspira fora do universo electrónico?
Tudo o que seja boa música influencia-me, gosto praticamente de todos os géneros de música, seja electrónica ou não, mas como bandas que mais me influenciaram não posso deixar de referir os Guns'N'Roses, Depeche Mode, Muse, Korn e Deftones.

9 - Qual foi a actuação que mais te marcou?
Muito sinceramente é impossível escolher uma só, porque de uma maneira ou de outra, todas são marcantes, seja pelo sitio, pelo publico ou pelo estado de espirito.

10 - O que mantém vivo o teu amor pela música electrónica? O que tu mais gostas nas festas/festivais?
O movimento num todo, as festas e festivais onde vives experiências únicas e onde tudo pode acontecer, as novas caras sorridentes que aparecem semana após semana, a música que está cada vez melhor e mais elaborada, as decorações cada vez mais complexas.

11 - Onde serão as tuas próximas actuações?
Para já podem-me encontrar uma vez por mês nas Freaky Fiction @ Europa, onde sou residente. Lá fora nos próximos meses vou estar em Espanha, Irlanda, Albânia, Eslovénia, Ibiza e Tenerife e por cá um pouco por todo o lado.

12 - Quais são as novidades em relação a novos lançamentos?
Por esta altura estão a sair muitas músicas em compilações da Mainstage Records, Global Army Music, United Beats Records, Woorpz Records e até ao final deste ano vai também sair um álbum na United Beats Records.

13 - Nos últimos anos o psy trance tem vindo a crescer em Portugal, o número de festas/festivais e novos artistas aumentam a "cada dia". Na tua visão, esta nossa caminhada está no ritmo certo ou existe algo que poderíamos estar a fazer mais pelo crescimento da cena?
Está no ritmo certo, pois para mim Portugal é um dos países onde a cultura do Psytrance mais predomina, comparando tanto a nível Europeu como Mundial, pois temos muitos promotores a fazerem muitas e boas festas todos os fins de semana, assim como festas semanais a acontecerem todas as terças, quartas e quintas um pouco por todo o pais, bem como 3 dos maiores festivais do momento – Boom Festival, Freedom Festival e Insomnia Festival. Á parte das organizações, temos também excelentes Live Acts e Dj's, alguns dos melhores decoradores Europeus e mais importante que tudo - temos um dos melhores públicos.

14 - Quais são os teus hobbies quando não estás a produzir música ou a viajar?
Cozinhar, passear, praia, neve, estar com a família e amigos...

15 - Que expectativas tens para esta 4ª edição do Insomnia Festival? E quais são as emoções que tencionas provocar aos ravers na tua actuação?
As expectativas são muito altas, pois o Insomnia ano após ano tem-se afirmado como um dos festivais de Trance mais importantes, tanto a nível Europeu como mundial...a emoção que mais pretendo é que se divirtam e que se esqueçam dos problemas e deveres da vida, pois estamos lá para celebrar e não para pensar.

16 - Falando um pouco sobre as festas que organizas no Europa em Lisboa. Como é visto para ti a realização de cada evento?
Já organizamos as Freaky Fiction @ Europa á 7 anos, todas as Quartas feiras no Cais do Sodré – Lisboa e mesmo assim posso garantir que cada evento é único, seja pelo público, pela energia, pela música – só experimentando

17- Vamos finalizar com uma mensagem para os teus fãs/seguidores.
Um grande obrigado por me continuarem a apoiar durante todos estes anos, espero que consigamos manter esta conexão juntos por muito mais tempo e continuem a ir ás festas, pois é uma experiência inesquecível que toda a gente deve saborear.

PUBLICIDADE