Amantes do Trance

1 - Como a música chegou à tua vida?
Lembro-me de ter comprado a minha primeira guitarra em 99. Passava horas a sonhar acordado com uma carreira no mundo da música,
mas foi apenas em 2001 com o meu amigo Angelo (Telepathic Vision) com quem comecei esta jornada no mundo do Psytrance,
que dei os primeitos passos na produção e composição de música electrónica. Depois de conseguirmos uma cópia do famoso software
Fruity Loops (pela altura na sua versão 3) seguiram-se horas interminaveis de pura diversão e aprendizagem.

2 - Quando foi a tua primeira festa de música electrónica?
Foi em Abril de 2002, o cartaz entre outros tinha: Skazi, Talamasca, Absolum e Nomad.

3 - Como foi o início da tua carreira?
Ao contrario do que a cultura popular acredita, o sucesso não surge da noite para o dia, e o meu caso não foi excepção.
Não estudei produção de musica electrónica, fui aprendendo por erro e tentativa, no entanto frequentei escola de musica
onde aprendi teoria musical e isso foi uma das coisas mais importantes para o desenvolvimento do meu som.
Nos primeiros anos tive bastante mais reconhecimento no estrangeiro do que em Portugal, na verdade foi apenas recentemente
que comecei a atuar mais por ca.

4 - Como começaste a produzir música electrónica?
Pela altura que comecei a produzir música electrónica eu ja tocava guitarra, e numa altura em que começava a surgir cada vez
mais musica electronica e com rock a mistura, surgiu em mim esse interesse.
Comecei uma viagem incansavel pela busca de informação sobre tudo o que me podesse ensinar acerca de produção.

5 - Quando foi o teu primeiro lançamento?
O primeiro lançamento foi em Setembro de 2007, a musica Experience the Challenge.

6 - Quem são as tuas influências na música?
Influencias não te sei dizer nomes.
A influencia na minha musica é habitualmente uma mistura de tudo o que ouço, vejo e experiencio.
No entanto posso-te dizer o que ando a ouvir atualmente: Hi Profile e Blastoyz.

7 - Qual foi a actuação que mais te marcou?
Na verdade é dificil de escolher uma, mas diria Skazi e Suria no Boom Festival 2002
e mais recentemente D_Maniac no Freedom Festival 2015.

8 - O que mantém vivo o teu amor pela música electrónica? O que tu mais gostas nas festas/festivais?
A musica electrónica tal como qualquer outra arte demora anos a maturar e aperfeiçoar. Na verdade, se não pararmos de investir
em nós e na nossa arte, vamos aperfeiçoa-la ate ao fim das nossas vidas, e essa viagem fascina-me, faz-se uma história de vida
e uma viagem intelectual ao aperfeiçoamento artistico e pessoal.
Poder fazer carreira naquilo que mais se gosta de fazer é das melhores sensações possiveis!
A juntar a tudo isto a elevada energia num dancefloor é das coisas mais incriveis que
se podem apreciar, e fazer parte disso não tem preço!
Não imagino férias mais agradaveis do que aquelas num festival de verão, calor, agua, musica, centenas de pessoas e boas energias.
Com tudo isto torna-se facil manter vivo o amor pela música electrónica!

9 - Quais são as novidades em relação a novos lançamentos?
Quanto a isso novidades não faltam. Tenho estado a trabalhar 24/7 em material novo.
No inicio de Março foi lançado o meu mais recente trabalho, o 3º album de Psilocybe Project, Geeks and Freaks.
Na primeira semana de abril sai o novo ep, Empire, e ate ao final de 2016 tenho ja agendados mais de 8 lançamentos
um dos quais será o 4º album de Psilocybe Project que planeio lançar ainda antes do final do ano.

10 - Quais são os teus hobbies quando não estás a produzir música ou a viajar?
Faço bastante desporto. Nas pausas do estudio vou surfar ou andar de bike.

11 - Vamos finalizar com uma mensagem para os teus fãs/seguidores.
O vosso apoio tem sido incansável, sinto o vosso amor todos os dias.
Obrigado por fazerem parte desta viagem!

PUBLICIDADE

 




 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *