ENTREVISTA COM FILIPA ADAMS

1- Fala-nos um pouco sobre ti. O que é que te inspira enquanto artista?

R: Olá Amantes do Trance, desde já agradeço-vos o convite para responder. Eu sou a Filipa Adam, nasci na Ilha da Madeira em 1985 ,aos 3 anos vim para Aveiro e aqui fui adoptada tinha já 7 anos. Era uma criança um tanto o quanto especial , os meus amigos tratam-me por Fipas , sempre muito comunicativa e energética com queda para as artes. Fui estudar para o Porto com 19 anos cheia de vontade de ser artista. O Balleteatro do Porto foi a primeira escola Artística onde me formei de 2006/20007 a 2010.
Enquanto aluna do BT Comecei cedo com as questões culturais e artísticas quando logo descubro um espaço no Porto chamado Contagiarte - um espaço de sensibilização Cultural sem fins lucrativos que fez parte do grande movimento Cultural, Dança. Teatro,Residências Artísticas,Fotografia,música étnica etc etc .
Sempre viajei muito , desde cedo que tive oportunidade para explorar e estudar for a, para poder adquirir os meus conhecimentos e trazê-los para o meu Pais . Sempre foi esse o meu objectivo: receber a máxima informação possível e pode-la passa-la para os outros.
Sempre fui uma grande amante do Teatro da Palavra , da Poesia do Monólogo . É o que me inspira como artista, a Palavra , o Texto , a musica tudo se envolve .




 

2- Como começou a tua aventura nas performances?

R: A minha Aventura pelas Performances começa ainda em 2006/2010 quando chego a ter um projecto teatral do 3º ano do Balleteatro com Pedro Penim e os horizontes levam-me a uma abertura per-formativa incrível. Eu queria performar em todo o lado ,á tinha alguns anos de performances em feiras medievais , eventos culturais , portanto o Porto é atacado pela febre performativa dos espectáculos novo Circo , teatro rua, etc. A cidade inundava-se de cultura naqueles anos de 2008 a 2011 - estava uma loucura .
Tudo começa na verdade nesta altura em 2010 a convite do Renato Oliveira (Olive Tree Dance) quando este lançou uma Tour Nacional pelo Pais “Didj Dance All beauty”em apresentação do seu Album em 2010. Foi em tempo record a todas as cidades do Pais e eu estive presente em algumas. A minha personagem era um alienígena que aparecia em Palco e acompanhava as melodias com bolas de contacto e interpretação. Foi o grande boom para mim, trouxe-me muita experiência e deu-me calo. Foi ótimo trabalhar com o Renato. Depois disso nunca mais parei , continuei sozinha e participei em eventos de Techo /House/Reggae sempre com os meus personagens acompanhando djs enquanto tocavam, criando Happenings , e alguma magia. A Bola de contacto é magia! Adoro ver as pessoas meio que hypnotizadas, é incrível.
Em Setembro de 2011 viajo para o Brasil para a UFG (Universidade Federal de Goiás), integrada no Intercambio na área da Produção Artistica, já formada em teatro quando entrei no IPB( Instituto Politécnico de Bragrança) em Produção Artistica. Adorei a minha aventura. Na verdade fiz duas cadeiras, aproveitei para fazer um bocadinho de tudo, fiz Teatro, apresentei uma peça minha - “O Amor é redondo”, integrada num festival Universitário FUGA5. Juntei-me a uma maltinha do circo que trabalhava essencialmente na rua nos semáferos, e em aldeias do estado de Goiás, onde performavamos na rua e o ambiente era incrível.
Volto em 2013 para Portugal e ainda tento fazer teatro em Lisboa mas não deu muito certo. Viajo para Inglaterra e tento apenas viver do Busking mas tive azar na altura e na cidade. Também uma aprendizagem sofredora, performar nas ruas de Birmingham , embora fosse Natal não é bem bem como se pensa. Enfim, voltei para Portugal em 2014 e em 2016 tenho a sorte de recomeçar tudo de novo. Foi então, que depois de 16 anos ausente do ambiente PsyTrance, recomeço toda esta aventura ainda mais performativa e que tem evoluído festa após festa .

3- Como é que o Psytrance entrou na tua vida?

R: A minha relação com o Trance é engraçada. Tenho um passado com o psytrance mas de uma forma muita leviana. Quando era miúda, na minha adolescência, estava a começar as primeiras grandes festas de Trance aqui na zona (Aveiro/Porto). Bombava a Yanomani , e a Crystal conheci a partir de 2003/2004 numa Passagem de Ano em Arganil. Foi o ultimo evento de Psytrance a que fui nessa altura e na minha opinião muito bom. Anos mais tarde , em Março de 2016 convidaram-me para ir a uma festa grande aqui na zona, uma festa como as de antigamente: as festas aqui na zona eram enormes e fiquei maravilhada. A partir dai não desisti mais e acho que esta ausência gigante é a chave para tentar o meu sucesso. Fiz uma proposta a Space Music Drops em maio do ano passado na Drop Celebration e, mais tarde foi com eles que fiz o meu primeiro grande festival em Portugal, o Infected Guitars 2016. Depois disso comecei a expandir-me pelo resto do País: Fiz a passagem de Ano, a convite da Crystal Matrix e foi o grande passo para a minha carreira como Performer neste tipo de eventos psicadélicos em Portugal. Tenho a agradecer à Space Music Drop e à Crystal Matrix. Estou imensamente grata pela oportunidade de poder expandir sorriso mágicos e olhares cheios de boas energias .

4- Como descreves o teu trabalho Performativo, quais as técnicas que costumas utilizar?

R: O meu Trabalho performativo é muito particular. Tento sempre evoluir e perceber o que o publico gosta. Primeiro tento encaixar as coisas com alguma estética, dar aquele conceito de beleza à obra, neste caso trabalhar sobre o próprio tema, as cores , as temáticas.
E com algumas aptidões e competências artísticas que fui adquirindo ao longo do tempo e da minha caminhada enquanto estudante e enquanto artista gosto de brincar com os objectos e com as questões visuais. O que e complicado neste Pais é conseguir fundos e ajudas para este tipo de trabalhos artísticos e nem sempre conseguir aquilo que gostaria, mas com trabalho e esforço e apoio de muitos colegas na área da cenografia, adereços e figurinos. O meu trabalho performativo não parte só de mim, há todo um conjunto de coisas à volta que serão sempre necessárias para a execução dos espectáculos e é nesta união e motivação e no trabalho conjunto para a resolução de todos os meus personagens que está toda a magia que eu tento passar para o púbico
Muitas vezes o pessoal pergunta: " são pesadas as bolas ?". Sim, são imensamente pesadas e às vezes com o som e o cansaço e toda a emoção das coisas, nem sempre é fácil explorar o body rolling como gostaria. Entao tento sempre brincar com o isolar o movimento, brincar com a ilusão e acho que resulta resulta bem .
Hoje em dia tento sempre explorar, ver, estar sempre dentro das ultimas novidades de " novos brinquedos", material de luz, malabarismo, etc etc , tudo o que se possa tornar belo, mágico e tripy 

5- Como descreverias o teu trabalho para o movimento nacional?

R: Sinceramente eu acho que não é uma questão do meu trabalho ser para um movimento nacional , mas sim o nosso trabalho, o de todos, a união dos colegas. Acho que o movimento nacional só o é se for global, de todos os portugueses. Acho que isto sim é a forma como eu poderia descrever o meu trabalho para um movimento nacional , um movimento de todos e para todos .

6- Quais os principais artistas que te inspiram?

R: Bom dentro da minha área os artistas que me inspiram são o Bois Vian na Literatura , o Salvador Dali inspira-me imenso para as minhas performances e personagens e tudo um mundo vasto. O Alfred Jarry , que foi o homem que inventou a Patafísica que é a ciência que estuda as soluções imaginárias.
Dentro deste circuito , tenho alguns artistas que me inspiram sim , Raja Ram , Juno Reactor e Mutant Theatre , Ajja , Tropycal Bleyage , Shpongle...

7- Em relação às performances em festas psicadélicas em Portugal, existe algo a melhorar ou está satisfatório para ti? no nosso movimento?

R: Bom , obviamente que existem sempre coisas para evoluir nas festas em Portugal . Refiro-me mais às necessidades dos Performers, basicamente para que se perceba o nosso lado. Nós vamos actuar, usar maquilhagem, pintar, lavar .. e precisamos sempre de um espaço reservado, um camarim. É indispensável e chega a ser desconfortavel e
desmotivante. Começo a sentir necessidade de rejeitar algumas coisas porque as condições para performances são muito complicadas.
Partilho este meu sentimento porque amo o Trance e o seu ambiente, mas às vezes não chega , nós temos que ser mais valorizados nas condições que nos oferecem .

8- Tens algum projecto em mente para breve?

R: Bom, eu tenho sim alguns projetos em mente mas como devem imaginar eu não os posso revela-los já. Posso adiantar que na área da produção artística e do management vêm boas novidades. Na área da Performativa também. A ideia é expandir o grupo e criar uma companhia especializada em eventos de Psytrance, não só em Portugal mas por esse mundo for a. Pretendo também este ano recomeçar a minha caminhada para o estrangeiro e voltar à América Latina , Estes são os meus planos para o fim deste ano e para para o início do ano seguinte.

9- Onde serão as tuas próximas actuações?

R: Por agora tenho o Freedom Festival que se vai realizar em São Giao, o Hidden Paradise, Fractal.. O meu anivesário em Outubro ainda a programar e, Dezembro, está no segredo do deuses .

10- Quais são as tuas expectativas para a participação no Freedom Festival?

R: Sendo sincera este é o festival que mais anseio este ano, não só pelo lugar em si que é mágico, mas também pelo tema e pela motivação de poder criar novas performances, nova imagem  e também poder colaborar com alguns colegas que vão estar presentes. Vai ser gratificante.Acho que a fasquia artística subiu de nível e eu posso-vos garantir que vai ser inesquecível, tanto na construção dos personagens, como na variedade de perfomances... e mais não posso revelar 🙂

11- Queres deixar uma mensagem aos teus seguidores?

R: Quero antes demais , deixar um enorme bem haja ao Amantes de Trance por criar este iniciativa , de divulgar os artistas Nacionais e por dar vida a este projecto .Quero também deixar um grande beijinho ao público esta malta que incrível evento após evento estão sempre na front line braço abertos e boas energias .

PLUR – Peace, love, unity , Respect

Sempre que quiserem conversar comigo dar novas ideias etc etc estou aqui !

Até já maltinha

Obrigado Filipa Adams

PUBLICIDADE