ENTREVISTA #9 KUNAYALA PRODUCTIONS

1- Como surgiu a KUNAYALA? Quem são os seus principais membros da organização e quais
os seus papéis?

R: Kunayala significa “Terra do Povo” em dialecto Kuna. É um arquipélago povoado por tribos,
vivendo independentemente e em total harmonia com Gaia, após os vários episódios
revolucionários. Os inventores de Kunayala Productions, durante a sua viagem à descoberta
do mundo, tiveram um ano e meio no arquipélago em 2009, sendo uma experiência de vida
coletiva compartilhada entre diferentes perspectivas, práticas e tradições, ao procurar articular
as nossas raízes, nossos sonhos, a nossa visão do Mundo e a nossa percepção da
interdependência de todos os seres vivos sobre a Terra, assim como a nossa vontade coletiva
incansável de respeitar e fazer a nossa parte no movimento, uma cultura em desenvolvimento
e originalmente respeitosa da harmonia de Gaia.
Kunayala Productions é uma família, dispersada no mundo inteiro, pronta para reencontrar-se
no Forest Soul Gathering. Temos uma parte do coletivo encarregada da distribuição e
produção de artesanato vindo principalmente da cultura Kunayala e outra parte do coletivo
que é encarregada da consolidação do rótulo, com produção e distribuição de artistas locais e
internacionais. A nossa atividade principal é a organização de eventos com diferentes
objetivos: o primeiro objetivo é assegurar a responsabilidade ecológica de todos eventos, o
segundo é compartilhar instrumentos que consideramos fundamentais a um modo de vida
harmonioso a fim de acordar as consciências individuais, e, em último, assegurar a
diversidade dos eventos propostos a fim de estar presente em diferentes dimensões
mantendo sempre, ao mesmo tempo, a nossa visão.

2- Quais as características mais importantes para um organizador de eventos?

R: Um dos nossos principais objetivos como organizadores de eventos é de conseguir partilhar
as borboletas que constantemente na barriga, esta energia e o amor profundo para uma
cultura na qual encontramos a nossa missão. Preferindo a qualidade à quantidade,
trabalhamos continuamente para fazer evoluir a nossa estrutura, os nossos projetos coletivos
como também o que oferecemos ao público.
Além da energia e do amor que procuramos fazer circular em todas as às escalas,
trabalhamos para fazer passar mensagens, para fazer aparecer soluções aos problemas, para
despertar consciências individuais a fim de mudar a consciência coletiva que sofre
dificuldades. Um evento artístico e multicultural é para nós um propício à reunião harmoniosa
de espíritos livres ou desejosos por liberar-se, através da expressão e a percepção artística,
pela troca de práticas culturais e naturais ou ainda pela fusão de energias puras.
Como organizadores, temos o dever de assegurar-nos que esta definição seja honrada e
respeitada.

3- O Forest Soul Gathering é um dos principais festivais deste verão e que a julgar pelo local
e line up tem tudo para ser um dos melhores festivais do ano. Para quem está a pensar ir ao
vosso festival, quais outras actividades oferecidas no Forest, para além do PsyTrance?

R: A Zen Space é uma aposta importante para nós, um espaço que dedicamos as atividades
para crianças, workshops que terão funcionamento diariamente, para que o máximo de
pessoas possam usar as ferramentas propostas no festival. As terapias também irão respeitar
um modelo de doação diária.
A nível musical, o Zen Space irá fazer-vos viajar pelo tempo com um repertório musical que
atravessa épocas de contra-cultura forte pelo mundo inteiro.
Como o Forest Soul Gathering também é um tributo a cultura celta, iremos ter vários jogos
celtas, acessíveis às crianças de todas as idades!
Junto ao Zen Space, irão encontrar a área das crianças, onde os pais poderão deixar espíritos
livres a divertirem-se à moda dos celtas acompanhados por uma equipa dinâmica e cheia de
boas energias.
Os primeiros Forest Souls também poderão participar ativamente à evolução da
biodiversidade do pedaço de terra na qual serão os guardiões durante os 5 dias de festival,
através da definição de uma zona de permacultura e da plantação de árvores no local.
Para os amantes da cozinha, iremos ter uma diversidade gastronômica importante e temos
previsto uma cerimônia de abertura espectacular.

4- O que está a chamar mais atenção é o cuidado com a diversidade de estilos que o evento
trará, resgatando a pluralidade que está na essência do movimento Trance. Qual a
importância desta mistura de tribos em festivais?

R: Para nós, a diversidade é algo natural que não devemos negar mas sim escolher e aprender
com ela. Sem diversidade pode ser mais complicado atingir uma escala de tolerância
fundamental ao respeito mútuo, entre diferentes gostos musicais, diferentes culturas,
diferentes educações e caminhos de vida. Consideramos a passagem do ser humano neste
planeta uma aprendizagem infinita, originada parcialmente pela capacidade de dar e receber,
pela luta contínua contra o ego, pelo cuidado da nossa Mãe Natureza, e, pelo respeito dum
ramo de flores de todas as cores e de todos os jardins do mundo.
Misturar tribos é como misturar flores para fazer desse ramo, algo harmonioso, e respeitar a
interdependência natural entre diferentes espécies.

5- O festival organizado por vocês certamente causará algum impacto no local onde é
realizado e por isso é essencial que se preocupem com causas ambientais. Como é que vocês
cuidam desse aspecto?

R: O objetivo que temos com os eventos a longo prazo, é o 100% eco-responsável. Para a
primeira edição iremos então neste sentido e com o objetivo de reduzir ao máximo a pegada
ecológica durante o evento. Com casas de banho ecológicas e não químicas, um sistema de
recuperação de águas usadas, a doação de eco-cinzeiros e o uso duma caução sobre o copo
com o principal objetivo de limitar a quantidade de lixo no festival.
Igualmente, a negociação actual com a Barragem dos Pisões para evitar o uso de geradores
no Forest Soul Gathering irá participar ao que chamamos a viabilidade do evento.

6- Como funciona o processo de seleção de Djs internacionais e nacionais?

R: Não temos um modelo fixo de seleção de Djs e outros artistas. Temos o nosso gosto musical
que influencia, as viagens proporcionadas por faixas, VA’s e diferentes EP’s, tendo alguma
diversidade dentro da Kunayala Productions, o que nos leva a ter um ramo bastante
harmonioso para esta primeira edição.
As flores que impedirão esta harmonia não farão parte da próxima edição e serão convidadas
a ser plantadas de novo.
Também iremos nos dar mais ao trabalho de dar visibilidade aos artistas locais com muito
talento, inspiração e amor postos ao serviço da evolução da cultura.

7- Em termos de estrutura, qual patamar voc​ê​s almejam chegar? O que
voc​ê​s sonham ter nos vossos eventos num futuro pr​ó​ximo?

R: Iremos manter os nossos desafios de natureza ecológica, social, política, artística e
multicultural ao privilegiar a qualidade dos nossos eventos.
Temos o projeto de trabalhar sempre na diversificação da nossa atividade, fazer viajar os
projetos e manter a nossa energia que consideramos a base da fraternidade que existe dentro
da equipa. O objetivo principal é o 100% sustentável em todos os nossos futuros eventos e
que haja harmonia a todos os níveis.

8- ​ ​Quantas pessoas voc​ês​ esperam para a edi​çã​o deste ano e quais s​ã​o os
maiores desafios ao colocar um festival deste porte em pr​á​tica?

R: Os maiores desafios que temos encontrado, foram encontrar pessoas genuínas, não
esquecer de nenhum daqueles pequenos pormenores e detalhes que parecem ser
insignificantes mas que têm tanta importância como tudo o resto. Integrar o Forest Soul
num projeto de dinamização cultural e artística da Região Norte também foi um bom
desafio. Outro challenge foi promover o evento pela Europa toda, o que foi um sucesso.
Em Portugal, ainda temos o desafio de ter que provar à algumas pessoas que o evento
vai mesmo ser realizado hehehe ! Faltam quase 20 dias para o começo dessa nova
aventura psicadélica, estamos a conta-los com muita alegria de ver os primeiros passos
do nosso projeto familiar aproximarem-se ! 😀 😀 😀

9- A cena Psy Trance nacional cresceu muito, com isso novos DJs,
festas/festivais e outras promotoras n​ã​o param de surgir. Na vossa
opini​ã​o, o que acham que poderia mudar (no sentido de melhorar o trance
em Portugal) ?

R: É normal que acontecesse um crescimento destes sendo que, na nossa opinião, esta
cena tem um potencial incrível para melhorar as pessoas e o planeta e acho que é isso
que todos realmente buscamos. Mas como é óbvio este crescimento traz vantagens e
desvantagens, tal como tudo… Achamos que cabe a cada um de querer ver esta cultura
evoluir para melhor, de querer unir as forças para assim podermos falar realmente de
uma vontade colectiva de mudar a cena Psy Trance nacional.
Haja respeito pelo ser humano, pelo o que somos, Gaia. Haja água à livre disposição
para todos em todos os eventos, haja essa vontade da parte dos organizadores de
querer abrir ao público um espaço de educação espiritual, ecológica, social, de diversão
colectiva. Haja amor e altruísmo, haja união e força colectiva, haja uma tribo forte e
universal capaz de construir o mundo de hoje e comunicá-lo ao resto das nossas irmãs
e irmãos. Não há modelos nem regras a seguir para chegar a algo sincero e puro, é
preciso fortalecer a nossa consciência colectiva, elevando as consciências individuais.

10- Para finalizar deixem uma mensagem para o p​ú​blico.

R: Não hesitem em partilhar as vossas dúvidas pré-Forest Soul Gathering e estarem
atentos ao evento criado no Facebook para a recolha de todas as informações que
estimam necessárias ! Esperamos partilhar com vocês esta experiência de modo a que
todos os envolvidos aprendam algo, quer nós quer vocês e acima de tudo que se crie
bastante felicidade, amor, solidariedade e um respeito mútuo por là !

PUBLICIDADE